sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

OS 7 PERÍODOS DA ALIMENTAÇÃO DO POVO DE DEUS



1°: ANTES DO PECADO – Frutas

Gên. 1:29: “E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda erva que dá semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda árvore, em que há fruto de árvore, que dá semente, ser-vos-á para mantimento”.
Gên. 2:16: “E ordenou o senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente,...”.
Gên. 3:2: “E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos”.
CRA 373. “Deus deu aos nossos primeiros pais o alimento que pretendia que a humanidade comesse. Era contrário ao Seu plano que se tirasse a vida a qualquer criatura. Não devia haver morte no Éden. Os frutos das árvores do jardim eram o alimento que as necessidades do homem requeriam”.
CRA 374. “O regime indicado ao homem no princípio, não compreendia alimento animal...”.
CRA 374. “Escolhendo a comida do homem, no Éden, mostrou o Senhor qual era o melhor regime;...”.
CRA 410. “Talvez penseis que não vos é possível trabalhar sem carne. Assim pensei algum tempo, mas sei que em Seu plano original, Deus não providenciou carne de animais mortos como parte do regime alimentício do homem. É um gosto grosseiro, pervertido, que aceita esse alimento”.
2°: APÓS O PECADO E ANTES DO DILÚVIO – Frutas legumes e verduras (vegetariano).
Gên. 3:18: “Espinhos e cardos também te produzirá; e comerás a erva do campo”.
CRA 81; CBV 295, 296: “Ao deixar o Éden para ganhar a subsistência lavrando a terra sob a maldição do pecado, o homem recebeu também permissão para comer a ‘erva do campo’. Gên. 2:5. Cereais, frutas, nozes e verduras constituem o regime dietético escolhido por nosso Criador. Estes alimentos, preparados da maneira mais simples e natural possível, são os mais saudáveis e nutritivos. Proporcionam uma força, uma resistência e vigor intelectual, que não são promovidos por uma alimentação mais complexa e estimulante”.
Média de Vida do Homem Antes do Dilúvio
Adão – 930 anos. Gên. 5:5.
Sete – 912 anos. Gên. 5:8.
Enos – 905 anos. Gên. 5:11.
Cainã – 910 anos. Gên. 5:14.
Maalaleu – 895 anos. Gên. 5:17.
Járede – 962 anos. Gên. 5:20.
Matusalém – 969 anos. Gên. 5:27.
Lameque – 777 anos. Gên. 5:31.
Noé – 950 anos. Gên. 9:29.
Média de Vida = 912,2.
Do pecado até o dilúvio passaram-se 1656 anos
Efeitos da alimentação cárnea antes do dilúvio sobre os ímpios.
Gên. 6:5: “E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a Terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”.
PP 46: “Mas, depois da queda, os homens preferiram seguir os seus próprios desejos pecaminosos; e, como resultado, o crime e a miséria aumentaram rapidamente. Nem a relação do casamento nem os direitos de propriedade eram respeitados. Quem quer que cobiçasse as mulheres ou as posses de seu próximo, tomava-as pela força, e os homens exultavam com suas ações de violência. Deleitavam-se na destruição da vida de animais; e o uso da carne como alimento tornava-os ainda mais cruéis e sanguinolentos, até que vieram a considerar a vida humana com espantosa indiferença”.
3°: APÓS O DILÚVIO – Carne, frutas, legumes e verduras
Gên. 9:1-4: “E abençoou Deus a Noé e a seus filhos, e disse-lhes: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a Terra. E será o vosso temor e o vosso pavor sobre todo o animal da Terra, e sobre toda a ave do céus; tudo o que se move sobre a Terra, e todos os peixes do mar, na vossa mão são entregues. Tudo quanto se move, que é vivente, será para vosso mantimento; tudo vos tenho dado como a erva verde. A carne, porém com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis”.
CRA 373: “Deus não deu ao homem permissão para comer alimento animal, senão depois do dilúvio. Fora destruído tudo que pudesse servir para a subsistência do homem, e diante da necessidade deste, o Senhor deu a Noé permissão de comer dos animais limpos que ele levara consigo na arca. Mas o alimento animal não era o artigo de alimentação mais saudável para o homem”.
Prov. 10:27: “O temor do Senhor aumenta os dias, mas os anos dos ímpios serão abreviados”.
CRA 373: “Depois do dilúvio o povo comeu à vontade do alimento animal. Deus viu que os caminhos do homem eram corruptos, e que o mesmo estava disposto a exaltar-se orgulhosamente contra seu Criador, seguindo as inclinações de seu coração. E permitiu Ele que aquela raça de gente longeva comesse alimento animal, a fim de abreviar sua vida pecaminosa. Logo após o dilúvio o gênero humano começou a decrescer rapidamente em tamanho, e na extensão dos anos. Spiritual Gifts, vol. 4, págs. 121 e 122”.
Média de Vida do Homem Depois do dilúvio
Gên.10:1: “Estas pois são as gerações dos filhos de Noé: Sem, Cão, e Jafé; e nasceram-lhes filhos depois do dilúvio”.
Gên. 11:10: “Estas são as gerações de Sem: Sem era da idade de cem anos, e gerou a Arpachede, 2 anos depois do dilúvio”.
Gên. 11:12; “E viveu Arpachede viveu 35 anos, e gerou a Sela”.
Gên. 11:14: “E viveu Selá 30 anos, e gerou a Éber”.
Gên. 11:16: “E viveu Éber 34 anos e gerou a Pelegue”.
Gên. 11:18: “E viveu Pelegue 30 anos, e gerou e Réu”.
Gên. 11:20: “E viveu Réu 32 anos, e gerou a Serugue”.
Gên. 11:22: “E viveu Serugue 30 anos, e gerou a Naor”.
Gên. 11:24: “E viveu Naor 29 anos, e gerou a Terá”.
Gên. 11:32: “E foram os dias de Terá 205 anos; e morreu Terá em Harã”.
Anos decorridos do Dilúvio até a morte de Terá = 427 anos.
Em 427 anos o homem deixou de viver uma média de 912,2 anos para viver apenas 205 anos!!!
Gên. 25:7. “Estes, pois são os dias dos anos de vida de Abraão, que viveu 175”.
4°: DEPOIS DA SAÍDA DO POVO DE ISRAEL DO EGITO – Vegetariano (Maná)
Ex. 16:1-3, 8-13: Antes do Sinai.
Ex. 16:4 – 5, 14: Deus envia maná.
Ex. 15:14, 15: “E, alçando-se o orvalho caído, eis que sobre a face do deserto estava uma coisa miúda, redonda; miúda como a geada sobre a terra. E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? Porque não sabiam o que era. Disse-lhes pois Moisés; Este é o pão que o Senhor vos deu para comer”.
Deus continua a enviar apenas o maná.
Ex. 16:21: “Eles, pois o colhiam cada manhã, cada um conforme ao que podia comer; porque, aquecendo o sol, derretia-se”.
Num. 11:7-9: “E era o maná como semente de coentro, e a sua cor como a cor de bedélio. Espalhava-se o povo, e o colhia, e em moinhos o moia, ou num gral o pisava, e em panelas o cozia, e dele fazia bolos; e o seu sabor era como o sabor de azeite fresco. E, quando descia de noite sobre o arraial, o maná descia sobre ele”.
CRA 375: “O Senhor disse claramente a Seu povo que lhes viriam todas as bênçãos, caso eles guardassem Seus mandamentos, e fossem um povo particular. Advertiu-os, por meio de Moisés no deserto, especificando que a saúde seria a recompensa da obediência. O estado da mente tem grandemente que ver com a saúde do corpo, e em especial com a saúde dos órgãos digestivos. Em geral, o Senhor não proveu carne a Seu povo no deserto, porque sabia que esse regime suscitaria doença e insubordinação. A fim de modificar a disposição e levar as mais altas faculdades do espírito a exercício ativo, deles tirou a carne de animais mortos. Deu-lhes o pão dos anjos, maná do céu. Manuscrito 38, 1898”.
Ex.16:35: “E comeram os filhos de Israel maná quarenta anos, até que habitaram em terra habitada: comeram maná até que chegaram aos termos da terra de Canaã”.
CRA 96; “Assim como Deus forneceu do Céu o maná para o sustento dos filhos de Israel, também dará ao Seu povo, em diferentes lugares, perícia e sabedoria para usarem os produtos desses países no preparo de alimentos que substituam a carne. Testimonies, vol. 7, págs. 124 e 125”.
Depois do Sinai.
Núm. 11:4: “E o vulgo, que estava no meio deles, veio a ter grande desejo: pelos que os filhos de Israel tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer?”
Núm. 11:10: “Então Moisés ouviu chorar o povo pelas suas famílias, cada a qual á porta da sua tenda: e a ira do Senhor grandemente se ascendeu, e pareceu mal aos olhos de Moisés”.
Núm.11: 18-20: “E dirás ao povo: santificai-vos para amanhã, e comereis carne: porquanto choraste aos ouvidos do Senhor, dizendo: Quem nos dará carne a comer, pois bem nos ia no Egito? Pelo que o Senhor vos dará carne, e comereis: Não comereis um dia, nem dois dias, nem cinco dias, nem dez dias, nem vinte dias: Mas um mês inteiro, até vos sair pelos narizes, até que vos enfastieis dela porquanto rejeitaste ao Senhor, que está no meio de vós, e choraste diante dele dizendo: Porque saímos do Egito?”
Num. 11:31-34: “Então soprou um vento do Senhor, e trouxe codornizes do mar, e as espalhou sobre o arraial quase caminho dum dia duma banda, e quase caminho dum dia da outra banda, à roda do arraial, e a quase dois côvados sobre a terra. Então o povo se levantou todo aquele dia e toda aquela noite, e todo o dia seguinte, e colheram as codornizes; o que menos tinha, colhera dez ômeres; e as estenderam para si ao redor do arraial. Quando a carne estava entre seus dentes, antes que fosse mastigada, se ascendeu a ira do Senhor contra o povo, e feriu o Senhor o povo com uma praga muito grande. Pelo que o nome daquele lugar se chamou Quibrote-ataavá, porquanto ali enterraram o povo que teve o desejo”.
CRA 375; “Afastando-se do plano divinamente indicado para seu regime, sofreram os israelitas grande prejuízo. Desejaram um regime cárneo, e colheram-lhe os resultados. Não atingiram ao divino ideal quanto ao seu caráter, nem cumpriram os desígnios de Deus. O Senhor ‘satisfez-lhes o desejo, mas fez definhar a sua alma’. Sal. 106:15”.
CRA 374: “Escolhendo a comida do homem, no Éden, mostrou o Senhor qual era o melhor regime; na escolha feita para Israel, ensinou Ele a mesma lição. Tirou os israelitas do Egito, e empreendeu educá-los, a fim de serem um povo para Sua possessão própria. Desejava, por intermédio deles, abençoar e ensinar o mundo inteiro. Proveu-lhes o alimento mais adaptado ao Seu desígnio; não carne, mas o maná, "o pão do Céu". João 6:31.
Foi unicamente devido a seu descontentamento e murmuração em torno das panelas de carne do Egito, que lhes foi concedido alimento cárneo, e isto apenas por pouco tempo. Seu uso trouxe doença e morte a milhares.”
Heb. 3:16-17: “Porque havendo alguns ouvido, o provocaram; mas não todos os que saíram do Egito por meio de Moisés. Mas com quem se indignou por quarenta anos? Não foi porventura com os que pecaram, cujos corpos caíram no deserto?”
I Cor. 10:5: “Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto. E estas coisas foram-nos feitas em figuras, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram”.
CRA 377: “Neste caso o Senhor concedeu ao povo aquilo que não era para seu melhor bem, porque muito o queriam. Não queriam submeter-se ao Senhor para receber as coisas que se demonstrassem para seu bem. Entregaram-se a sediciosas murmurações contra Moisés, e contra o Senhor, porque não recebiam os artigos que se demonstrariam ser um mal. Seu apetite depravado os controlava, e Deus lhes concedeu alimento cárneo, como desejavam, e deixou que sofressem as conseqüências da satisfação de seus apetites concupiscentes. Febres ardentes exterminaram grande número do povo”.
Sl. 78:18: “E tentaram a Deus nos seus corações, pedindo carne para satisfazer o seu apetite”.
I Cor. 10:9: “E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram, e pereceram pelas serpentes”. (Ver Núm. 21:4-6).
CRA 379, 380: “Nossos hábitos de comer e beber mostram se somos do mundo ou do número daqueles a quem o Senhor, por Seu poderoso cutelo da verdade separou do mundo. Estes são Seu povo peculiar, zeloso de boas obras. Deus falou em Sua Palavra. No caso de Daniel e seus três companheiros, há sermões quanto à reforma de saúde. Deus falou na história dos filhos de Israel, dos quais, para seu bem, procurou tirar o regime cárneo. Alimentou-os com o pão do céu; "Pão dos anjos comeu o homem." Eles, porém, animaram seu apetite terreno; e quanto mais concentravam os pensamentos nas panelas de carne do Egito, tanto mais aborreciam a comida que Deus lhes deu para conservá-los em saúde, física, mental, e moralmente. Anelaram as panelas de carne, e nisto fizeram justamente como têm feito muitos em nossos dias. Testimonies, vol. 6, 372”.
I Cor. 10:5, 6: Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto. E estas coisas foram-nos feitas em figuras, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram”.
I Cor. 10:11: “Ora tudo isto lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos”.
CRA 379: “Os filhos de Israel queriam carne, e disseram, como dizem muitos hoje em dia: Sem carne, morreremos. Deus deu carne ao rebelde Israel, mas com ela estava Sua maldição. Milhares deles morreram enquanto a carne que haviam desejado estava entre seus dentes. Temos o exemplo do antigo Israel, e a advertência de não fazermos como eles fizeram”.
5°: DEPOIS DA ENTRADA DE ISRAEL EM CANAÃ ATÉ 1844 (dureza de coração) - Carne, frutas, legumes e verduras
Sl. 78:32: “Não refrearam o seu apetite. Ainda lhes estava a comida na boca, quando a ira de Deus desceu sobre eles, e matou os mais fortes deles, e feriu os escolhidos de Israel. Com tudo isto ainda pecaram, e não deram crédito às suas maravilhas”.
At. 7:39: “Ao qual nossos pais não quiseram obedecer, antes O rejeitaram, e em seu coração se tornaram ao Egito”.
CRA 374: “Foi unicamente devido a seu descontentamento e murmuração em torno das panelas de carne do Egito, que lhes foi concedido alimento cárneo, e isto apenas por pouco tempo. Seu uso trouxe doença e morte a milhares. Todavia a restrição a um regime sem carne não foi nunca aceita de coração. Continuou a ser causa de descontentamento e murmuração, franca ou secreta, e não ficou permanente. Quando se estabeleceram em Canaã, foi permitido aos israelitas o uso de alimento animal, mas com restrições cuidadosas, que tendiam a diminuir os maus resultados. O uso da carne de porco era proibido, bem como de outros animais, aves e peixes cuja carne foi declarada imunda. Das carnes permitidas, era estritamente proibido comer a gordura e o sangue. Só se podiam usar como alimento, animais em boas condições. Nenhum animal despedaçado, que morrera naturalmente, ou do qual o sangue não havia sido cuidadosamente tirado, podia servir de alimento.
O divórcio também foi permitido devido à dureza de coração.
Mat. 19:1-8: “Moisés por causa da dureza de vossos corações vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim”.
MDC 63: “Quando, posteriormente, os fariseus O interrogaram acerca da legalidade do divórcio, Jesus apontou a Seus ouvintes a antiga instituição do casamento, segundo foi ordenada na criação. ‘Moisés’, disse Ele, ‘por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, no princípio, não foi assim.’ Mat. 19:8. Ele lhes chamou a atenção para os abençoados dias do Éden, quando Deus declarou tudo ‘muito bom’. Gên. 1:31”.
CRA 380; CSS 450: “Tem-me sido repetidamente mostrado que Deus está procurando levar-nos de volta, passo a passo, a Seu desígnio original - que o homem subsista com os produtos naturais da terra”.
6°: DE 1844 ATÉ A VINDA DE CRISTO – Frutas legumes e verduras (Vegetariano)
Dan. 8:14: “E Ele me disse: Até duas mil e trezentas tardes e manhãs; e o santuário será purificado”.
Lêv.23:27: “Mas ao dez deste mês sétimo será o dia da expiação: tereis santa convocação, e afligireis a vossas almas; ...”.
Jl. 2:15,16: “Tocai a busina em Sião, santificai um jejum, proclamai um dia de proibição. Congregai o povo, santificai a congregação ajuntai os anciãos, congregai os filhinhos, e os que mamam: saia o noivo da racâmara , e a noiva de seu tálamo”.
CRA 90: “O verdadeiro jejum que se deve recomendar a todos, é a abstinência de toda espécie de alimento estimulante, e o uso apropriado de alimentos simples e saudáveis, por Deus providos em abundância”.
Is. 22:12: “E o Senhor, o Senhor dos exércitos vos convidará naquele dia ao choro, ao pranto, e à rapadura da cabeça, e ao cingidouro do saco”.
Is. 22:20-22: “E será que naquele dia que chamarei a Meu servo Eliaquin, filho de Hilquias, e revesti-Lo-ei da tua túnica, e esforça-Lo-ei com o teu talabarte, e entregarei nas Sua s mãos o Seu domínio, e será como pai para os moradores de Jerusalém, e para a casa de Judá. E porei a chave da casa de Davi sobre o Seu ombro, e abrirá, e ninguém fechará, e fechará, e ninguém abrirá”.
Ap. 3:7-8: “E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: Eu sei as tuas obras: eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar:tendo pouca força, guardaste a Minha palavra, e não negaste o meu nome”.
Período de Filadélfia 1833 – 1844 .
PE 42, 43: “No dia 24 de março de 1849, sábado, tivemos uma reunião agradável e muito interessante com os irmãos de Topsham, Maine. O Espírito Santo foi derramado sobre nós e eu fui levada pelo Espírito à cidade do Deus vivo. Mostrou-se-me então que os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus Cristo com referência à porta fechada não podiam ser separados, e que o tempo para os mandamentos de Deus brilharem em toda a sua importância, e para o povo de Deus ser provado sobre a verdade do sábado, seria quando a porta fosse aberta no lugar santíssimo do santuário celestial, onde está a arca que contém os Dez Mandamentos. Esta porta não foi aberta até que a mediação de Jesus no lugar santo do santuário terminou em 1844. Então Jesus Se levantou e fechou a porta do lugar santo e abriu a porta que dá para o santíssimo, e passou para dentro do segundo véu, onde permanece agora junto da arca e onde agora chega a fé de Israel.
“Vi que Jesus havia fechado a porta do lugar santo, e que nenhum homem poderia abri-la; e que Ele havia aberto a porta para o santíssimo, e que homem algum podia fechá-la. (Apoc. 3:7 e 8).
Is. 22:12-14: “E o Senhor, o Senhor dos exércitos vos convidará naquele dia ao choro, ao pranto, e à rapadura da cabeça, e ao cingidouro do saco. Mas eis aqui gozo e alegria, matam-se vacas e degolam-se ovelhas, come-se carne, e bebe-se vinho, e diz-se: Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos. Mas o Senhor dos exércitos se declarou aos meus ouvidos, dizendo. Certamente esta maldade não será expiada até que morrais, diz o Senhor Jeová dos Exércitos”.
AS TRÊS FAZES DA ALIMENTAÇÃO DO PROFETA ELIAS
1ª FAZE = I Reis 17:3-6: “Vai-te daqui, e vira-te para o oriente, e esconde-te junto ao ribeiro de Carite, que está diante do Jordão. E há de ser que beberás do ribeiro: e Eu tenho ordenado aos corvos que te sustentem. Foi pois, e fez conforme à palavra do Senhor: porque foi, e habitou junto ao ribeiro de Carite, que está diante do Jordão. E os corvos lhe traziam pão e carne pela manhã; como também pão e carne à noite: e bebia do ribeiro”.
2ª FAZE = I Reis 17:8,9: “Então veio a ele a palavra do Senhor, dizendo: Levanta-te, e vai a Sarepta, que é de Sidom, e habita ali, eis que Eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente. Então ele se levantou e se foi a Sarepta; e chegando á porta da cidade, eis que estava ali uma mulher viúva apanhando lenha; e ele a chamou, e lhe disse: Traze-me, peço-te, num vaso um pouco de água que beba. E, indo ela a busca-la, ele a chamou e lhe disse: Traze-me agora também um bocado de pão na tua mão. Porém ela disse: Vive o senhor teu Deus, que nem um bolo tenho, senão somente um punhado de farinha numa panela, e um pouco de azeite numa botija; e vês aqui, apanhei dois cavacos, e vou prepará-lo para mim e para meu filho, para que o comamos, e morramos. E Elias lhe disse: Não temas; via, faze conforme a tua palavra: porém faze disso primeiro para mim um bolo pequeno e traze-mo para fora; e depois farás para ti e teu filho. Porque assim diz o Senhor Deus de Israel: A farinha da panela não se acabará, e o azeite da botija não faltará, até ao dia em que o Senhor d~e chuva sobre a terra. E foi ela, e fez conforme à palavra de Elias: e assim comeu ela, e ele, e a sua casa muitos dias”.
3ª FAZE = I Reis 19:5-7: “E deitou-se e dormiu e debaixo dum zimbro: e eis que então um anjo o tocou, e lhe disse: levanta-te, come. E olhou, e eis que à sua cabeceira estava um pão cozido sobre as brasas, e uma botija de água: e comeu, e bebeu, e tornou a deitar-se. E o anjo do senhor tornou a segunda vez e o tocou, e disse: levanta-te e come, porque mui comprido te será o caminho”.
Mat. 17:11: “E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas”.
CRA 71: “O profeta Malaquias declara: "Eis que Eu vos envio o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor; e converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração do filhos a seus pais." Mal. 4:5 e 6. Aqui o profeta descreve o caráter da obra. Os que devem preparar o caminho para a segunda vinda de Cristo são representados pelo fiel Elias, assim como João veio no espírito de Elias para preparar o caminho para o primeiro advento de Cristo”.
At. 3:20-21: “E envie Ele a Jesus Cristo, que já dantes foi pregado. O Qual convém que o Céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os Seus santos profetas, desde o princípio”.
1ª FAZE: Pão e Carne
CRA 432: “Não posso ver como, à luz da lei de Deus, podem cristãos empenhar-se conscienciosamente na cultura de lúpulo ou na manufatura de vinho ou de sidra para o mercado. Todos esses artigos podem ser empregados para bons fins, e demonstrarem-se uma bênção; ou podem ser postos em mau uso, e demonstrarem-se uma tentação e uma ruína. Sidra e vinho podem ser engarrafados quando frescos, e conservados doces por longo tempo; e caso sejam usados quando não fermentados, não destronarão a razão. ...”.
II ME 338: “Em resposta a muitas indagações, queremos dizer que cremos haver negócio que os adventistas possam fazer para ganhar a vida, os quais estão mais em harmonia com sua fé do que cultivar lúpulo, fumo ou criar porcos.
“E recomendaríamos que não plantassem mais lúpulo, nem fumo, e que reduzissem o número de seus porcos. Talvez ainda reconheçam dever, como fazem os crentes muito coerentes, não os criar mais. Não insistiríamos nessa opinião com quem quer que seja. Muito menos tomaríamos a responsabilidade de dizer: ‘Passai o arado em vossos campos de lúpulo e de fumo, e sacrificai vossos porcos aos cães’.
“Ao passo que diríamos aos que estão dispostos a importunar os que cultivam lúpulo e fumo e criam porcos entre nosso povo que eles não têm o direito de fazer destas coisas, em qualquer sentido, uma prova de comunhão cristã,...”.
I TI 206, 207: “Vi que as sua idéias sobre a carne de porco* não seriam prejudiciais se vocês a retivessem pra vocês mesmos, mas, em seu julgamento e opinião, os irmãos têm feito dessa questão uma prova, e seus atos têm demonstrado o que vocês crêem sobre isso. Se Deus achar por bem que seu povo se abstenha da carne de porco, Ele os convencerá a respeito... Se for dever da igreja abster-se da carne de porco, Deus o revelará a mais do que duas ou três pessoas. Ele ensinará a Sua igreja o dever dela”.
* “Esse notável testemunho foi escrito em 21 de outubro de 1858, cerca de cinqüenta anos antes da grande visão de 1863, na qual a luz da reforma de saúde foi dada. No devido tempo o assunto foi dado de maneira a persuadir todo o nosso povo. Quão maravilhosas são a sabedoria e a bondade de Deus! Pode ser tão errado insistir agora na questão do leite, sal e açúcar, quanto na questão da carne de porco em 1858. Nota da segunda edição. Tiago White”.
CRA 410, 411: “O hospital está fazendo boa obra. Chegamos justamente ao ponto da vexativa questão da carne. Não devem os que vão para o hospital ter carne à mesa, e serem instruídos a deixá-la gradualmente?... Anos atrás foi-me comunicada luz quanto a não dever ser tomada a atitude de rejeitar totalmente a carne, ...”.
CRA 407: “É causado positivo dano ao organismo pelo contínuo comer carne. Não há nenhuma desculpa para isso a não ser um apetite pervertido, depravado. Talvez pergunteis: Quereria a senhora acabar inteiramente com o comer carne? Respondo: Finalmente chegarei a isto, mas não estamos preparados para este passo justo agora. O comer carne será finalmente abandonado. A carne de animais não mais constituirá parte de nosso regime; e olharemos com desagrado para um açougue....”.
COMEÇA A BRILHAR A LUZ
CRA 481: “Foi na casa do irmão A. Hilliard, em Otsego, Michigan, a 6 de junho de 1863, que me foi exposto em visão o grande tema da reforma de saúde. Review and Herald, 8 de Outubro de 1867”.
CRA 380; CSS 450: “Tem-me sido repetidamente mostrado que Deus está procurando levar-nos de volta, passo a passo, a Seu desígnio original - que o homem subsista com os produtos naturais da terra”.
CRA 381: “Não posso pensar que estejamos em harmonia com a luz que Deus tem sido servido de nos dar, nessa prática de comer carne”.
CRA 381: “Há de o povo que está se preparando para tornar-se santo, puro e enobrecido, a fim de poder ser introduzido na sociedade dos anjos celestes, continuar a tirar a vida das criaturas de Deus e viver de sua carne, deliciando-se com ela como uma iguaria? Do que o Senhor me tem mostrado, esta ordem de coisas se há de mudar, e o povo peculiar de Deus exercerá temperança em tudo. Christian Temperance and Bible Hygiene, pág. 48”.
CRA 496: “Havendo nós obtido boa vitória sobre essas coisas, e vendo o Senhor que éramos capazes de suportá-la, foi comunicada luz no que respeita ao alimento e ao vestuário. E a causa da reforma de saúde entre nós caminhou avante firmemente, e grandes mudanças foram feitas, especialmente no sentido do uso da carne de porco, até ao ponto em que, em conseqüência de nossa doença, a Sra. White deixou de falar e escrever acerca da questão da reforma de saúde. Daí pode datar-se o começo de nossos infortúnios e erros como um povo com relação a esse assunto”.
Atitude Mas Decisiva
CRA 411: “O Senhor deseja levar Seu povo a uma situação em que não toquem nem provem carne de animais mortos”.
CRA 413, 414: “Os que dão crédito à Palavra de Deus, e Lhe obedecem os mandamentos de todo o coração, serão abençoados. Ele será seu escudo protetor. Mas com o Senhor não se brinca. Desconfiança, desobediência, afastamento da vontade de Deus e de Seu caminho, colocará o pecador em situação em que o Senhor não pode dar-lhe Seu divino favor. ...
“Refiro-me outra vez à questão do regime. Não podemos fazer agora como nos arriscamos a fazer no passado quanto ao comer carne. Esta tem sido sempre uma maldição à família humana, mas em nossos dias isto se torna particularmente a maldição pronunciada por Deus sobre os rebanhos do campo em razão da transgressão e pecado do homem. A doença nos animais está-se tornando mais e mais comum, e nossa única segurança agora é deixar a carne inteiramente de lado”.
380 CRA; CBV 317: “Verduras, frutas e cereais, devem constituir nosso regime. Nem um grama de carne deve entrar em nosso estômago. O comer carne não é natural. Devemos voltar ao desígnio original de Deus ao criar o homem. Manuscrito 115, 1903.
“Não é tempo de que todos visem dispensar a carne na alimentação? Como podem aqueles que estão buscando tornar-se puros, refinados e santos a fim de poderem fruir a companhia dos anjos celestes, continuar a usar como alimento qualquer coisa que exerça tão nocivo efeito na alma e no corpo? Como podem eles tirar a vida às criaturas de Deus a fim de consumirem a carne como uma iguaria? Volvam eles antes à saudável e deliciosa comida dada ao homem no princípio, e a praticarem eles próprios e ensinarem a seus filhos, a misericórdia para com as mudas criaturas que Deus fez e colocou sob nosso domínio”.
CRA 381: “Maiores reformas devem-se ver entre o povo que professa aguardar o breve aparecimento de Cristo. A reforma de saúde deve efetuar entre nosso povo uma obra que ainda não se fez. Há pessoas que devem ser despertadas para o perigo de comer carne, que ainda comem carne de animais, pondo assim em risco a saúde física, mental e espiritual. Muitos que são agora só meio convertidos quanto à questão de comer carne, sairão do povo de Deus, para não mais andar com ele”.
CRA 383: “Cumpre-nos dispensar atenta consideração a nosso regime alimentar. Foi-me mostrado claramente que o povo de Deus deve assumir atitude firme contra o comer carne. Daria Deus por trinta anos a Seu povo a mensagem de que, se quiser ter sangue puro e mente clara precisa abandonar o uso da carne, se Ele não quisesse que eles dessem ouvidos a essa mensagem? Pelo uso de alimentos cárneos a natureza animal é fortalecida e enfraquecida a espiritual. Carta 48, 1902”.
Como os Adventistas do 7° Dia Reagiram?
II TS 157: “A mesma desobediência e o mesmo fracasso observados na igreja judaica têm caracterizado em maior grau o povo que recebeu esta grande luz do Céu através das últimas mensagens de advertência”.
MJ 179: “Tanto aos rapazes como às moças deve ser ensinado a cozinhar economicamente, e a dispensar, na alimentação, qualquer artigo cárneo. Não estimule absolutamente o preparo de pratos compostos de qualquer parcela de carne; pois isso é volver às trevas e à ignorância do Egito, e não à pureza da reforma de saúde”.
SC 38: “A igreja deixou de seguir a Cristo, seu Guia, e está constantemente retrocedendo rumo ao Egito”.
CRA 408: “Temos estado a voltar para o Egito em vez de avançar para Canaã. Não inverteremos a ordem das coisas? Não teremos comida simples e saudável em nossa mesa?
III TS 358: “Os adventistas do sétimo dia proclamam verdades momentosas. Há mais de quarenta anos o Senhor nos deu luz especial sobre a reforma do regime alimentar, mas de que modo estamos andando nessa luz? Quantos têm recusado viver de acordo com os conselhos de Deus! Como povo, nossos progressos deveriam ser proporcionais à luz que recebemos. Nosso dever é compreender e respeitar os princípios da reforma do regime alimentar. No tocante à temperança, deveríamos haver progredido mais do que qualquer outro povo e, entretanto, há ainda entre nós membros da igreja bem instruídos e mesmo ministros do evangelho que têm pouco respeito pela luz que Deus deu sobre o assunto. Comem o que lhes apraz e procedem do mesmo modo”.
III TS 358, 359: “Os que ocupam cargo de instrutor e dirigente em nossa causa devem estar firmados no terreno da Bíblia, com relação à reforma do regime alimentar e dar testemunho decidido aos que crêem que estamos vivendo nos últimos dias da história deste mundo. Cumpre traçar uma linha divisória entre os que servem a Deus e os que servem a si próprios.
“Os princípios que nos foram propostos no começo desta mensagem são tão importantes e devem ser considerados com tanta consciência hoje em dia como o foram então. Muitos há que nunca seguiram a luz dada com respeito ao regime alimentar.
“Não nos compete fazer do uso da alimentação cárnea uma prova de comunhão; devemos, porém, considerar a influência que crentes professos, que fazem uso de carne, têm sobre outras pessoas. Como mensageiros de Deus, não devemos testemunhar ao povo:
"Quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus"? I Cor. 10:31. Não devemos dar um testemunho decidido contra a transigência com o apetite pervertido? Porventura os ministros do evangelho, que estão a proclamar a verdade mais solene já enviada aos mortais, devem constituir-se exemplo no regresso às panelas de carne do Egito? É lícito que os que são sustentados pelos dízimos dos celeiros de Deus se permitam a condescendência que tende a envenenar a corrente vivificadora que lhes flui nas veias? Desprezarão a luz que Deus lhes deu e as advertências que lhes faz?
CRA 401, 402: “Não daremos, como mensageiros de Deus, decidido testemunho contra a condescendência com o apetite pervertido?... Deus tem provido abundância de frutas e cereais, os quais podem ser preparados de maneira saudável e usados na devida quantidade. Por que, então, continuam os homens a preferir alimentos cárneos? Poderemos nós, possivelmente, ter confiança em pastores que, às mesas em que é servida a carne, unem-se aos outros em comê-la?...”.
MDPA 7:22: “Se os membros da igreja não desempenharem a parte que Deus lhes designou, o movimento da reforma de saúde prosseguirá sem eles, e ver-se-á que Deus lhes removeu o castiçal. MS 78, 1900”.
Considerando a Ocasião das Mensagens
I ME 57: “Quanto aos testemunhos, coisa alguma é ignorada; coisa alguma é rejeitada; o tempo e o lugar, porém, têm que ser considerados”.
CRA 412, 413: “Recebi vossa carta, e darei a melhor explicação que puder relativamente à carne. As palavras que mencionais achavam-se numa carta a ________ e alguns outros ao tempo que a irmã ________ se achava no Retiro de Saúde. Essas cartas foram procuradas com afinco. Algumas cartas foram copiadas, e outras não. Disse-lhes que dessem informações acerca do tempo das declarações feitas. Naquela época o regime cárneo estava sendo prescrito e usado em larga escala. A luz que me fora comunicada era que a carne em condições de saúde não devia ser cortada imediatamente, mas palestras deviam ser feitas no salão relativamente ao uso da carne de animais mortos, de qualquer espécie; que frutas, cereais e verduras devidamente preparados era tudo o que o organismo exigia para manter-se com saúde; mas que eles precisavam primeiro mostrar que não necessitamos de carne, uma vez que haja bastante fruta, como na Califórnia. No Retiro de Saúde, porém, eles haja bastante fruta, como na Califórnia. No Retiro de Saúde, porém, eles não estavam preparados para dar passos abruptos, depois de haverem usado tão abundantemente a carne como haviam feito. Seria necessário usarem-na bem parcimoniosamente a princípio, deixando-a afinal inteiramente. Mas precisaria haver apenas uma mesa chamada a mesa dos pacientes que comem carne. As outras mesas deviam estar isentas desse artigo. ...
“Isto é tudo de quanto me posso lembrar naquele ponto. Mais luz ou conhecimento tem sobrevindo, para nossa consideração”.
CRA 405: “PROGRESSIVA REFORMA DIETÉTICA NAS INSTITUIÇÕES ADVENTISTAS DO SÉTIMO DIA”.
“(Nota: É um fato consignado nas história que as instituições de saúde dos adventistas do sétimo dia, serviam nos primeiros tempos alimentos cárneos em maior ou menos escala a seus doentes e funcionários. A reforma, nessa faze do viver saudável, era progressiva. Nas instituições mais antigas, depois de longa luta, a carne foi finalmente rejeitada em todas as mesas. No caso do sanatório de battle Creek, esse passo foi dado em 1898, em grande parte correspondendo a conselho da pena da Sra. White que aparece nesse capítulo (722). No sanatório de santa Helena a mudança teve lugar em 1903. Por essa época a instituição acerca do regime sem carne havia-se espalhado amplamente, e a carne foi excluída da dieta dos que ali se internavam com menos dificuldade do que se isto houvesse sido feito anteriormente. Foi uma alegria para os dirigentes das instituições mais antigas saber que nos estabelecimentos novos, abertos por naquele tempo, o alimento cárneo não era servido aos doentes.
“O conselho concernente à questão da carne não é completo sem o quadro da luta por seu abandono em nossas instituições, segundo se manifesta em várias comunicações da Sra. White, e as instruções estimulando a progressiva reforma no regime dietético. É essencial que o leitor conserve em mente esses fatos e o tempo em que foram escritas as diversas declarações ao estudar essa fase da questão do alimento cárneo. – Compiladores.)”
2ª FAZE: Farinha e Azeite
CRA 383: “Os que usam carne menosprezam todas as advertências que Deus tem dado relativamente a esta questão. Não possuem nenhuma prova de estar andando em caminhos seguros. Não têm a mínima desculpa quanto a comer a carne de animais mortos”.
CRA 406: “Não somente nosso povo deve ser educado, mas os que não receberam a luz acerca da reforma de saúde devem ser ensinados no que respeita a viver saudavelmente, segundo o plano de Deus. Se, porém, não temos nós mesmos uma norma nesse sentido, que necessidade há de incorrer em tão grande dispêndio para estabelecer uma instituição de saúde? Onde entrará a reforma?”
CRA 407: “Carne alguma será usada por Seu povo”.
CRA 383: “Foi-me mostrado claramente que o povo de Deus deve assumir atitude firme contra o comer carne. Daria Deus por trinta anos a Seu povo a mensagem de que, se quiser ter sangue puro e mente clara precisa abandonar o uso da carne, se Ele não quisesse que eles dessem ouvidos a essa mensagem?”
CRA 381: “Não posso pensar que estejamos em harmonia com a luz que Deus tem sido servido de nos dar, nessa prática de comer carne. Todos quantos se acham ligados a nossas instituições médicas, em especial, devem estar-se educando para viver de frutas, cereais e verduras. Se, nessas coisas, procedermos movidos por princípios, se como reformadores cristãos educamos nosso próprio gosto, e pomos nosso regime em harmonia com o plano de Deus, então podemos exercer influência sobre outros nessa questão, o que será agradável a Deus. Christian Temperance and Bible Hygiene, pág. 119”.
CRA 382: “Maiores reformas devem-se ver entre o povo que professa aguardar o breve aparecimento de Cristo. A reforma de saúde deve efetuar entre nosso povo uma obra que ainda não se fez. Há pessoas que devem ser despertadas para o perigo de comer carne, que ainda comem carne de animais, pondo assim em risco a saúde física, mental e espiritual. Muitos que são agora só meio convertidos quanto à questão de comer carne, sairão do povo de Deus, para não mais andar com ele”.
CRA 388: “O regime cárneo é a questão séria. Hão de seres humanos viver da carne de animais mortos? A resposta, segundo a luz dada por Deus, é: Não, decididamente Não”.
CRA 380: “Verduras, frutas e cereais, devem constituir nosso regime. Nem um grama de carne deve entrar em nosso estômago. O comer carne não é natural. Devemos voltar ao desígnio original de Deus ao criar o homem. Manuscrito 115, 1903”.
3ª FAZE: Pão e Água
Is. 33:16-17: “Este habitará nas alturas: as fortalezas das rochas serão o seu alto refúgio, o seu pão lhe será dado, e as suas águas lhe serão certas. Os teus olhos verão o Rei na Sua formosura, verão a terra que está longe”.
MM 59:340; GC 629: “O povo de Deus não estará livre de sofrimento; mas... não serão abandonados a perecer... Enquanto os ímpios estão a morrer de fome e pestilências, os anjos protegerão os justos, suprindo-lhes as necessidades. Para aquele que "anda em justiça" é esta promessa: "O seu pão lhe será dado, as suas águas serão certas. Isa. 33:16".
PE 282: “Vi os santos deixarem as cidades, e vilas, reunirem-se em grupos e viverem nos lugares mais solitários da Terra. Anjos lhes proviam alimento e água, enquanto os ímpios estavam a sofrer fome e sede”.
Sl. 33:18-19: “Eis que os olhos do Senhor estão sobre os que O temem, sobre os que esperam na Sua misericórdia. Para livras as almas da morte, e para os conservar vivos na fome”.
7°: DA SEGUNDA VINDA DE CRISTO EM DIANTE – Frutas
Apoc. 21:4: “... não haverá mais morte...”.
Apoc. 22:2: “No meio da sua praça, e de uma à outra banda do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês;...”.
Mat. 26:29: “E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de Meu Pai”.
Is. 65:21: “E edificarão casas, e as habitarão; plantarão vinhas e comerão o seu fruto”.
PE 19,20: “Esse templo era apoiado por sete colunas, todas de ouro transparente, engastadas de pérolas belíssimas. As maravilhosas coisas que ali vi, não as posso descrever. Oh! se me fosse dado falar a língua de Canaã, poderia então contar um pouco das glórias do mundo melhor. Vi lá mesas de pedra, em que estavam gravados com letras de ouro os nomes dos 144.000. Depois de contemplar a beleza do templo, saímos, e Jesus nos deixou e foi à cidade. Logo Lhe ouvimos de novo a delicada voz, dizendo: "Vinde, povo Meu; viestes da grande tribulação, e fizestes Minha vontade; sofrestes por Mim; vinde à ceia, pois Eu Me cingirei e vos servirei." Nós exclamamos: "Aleluia! Glória"! e entramos na cidade. E vi uma mesa de pura prata; tinha muitos quilômetros de comprimento, contudo nossos olhares podiam alcançá-la toda. Vi o fruto da árvore da vida, o maná, amêndoas, figos, romãs, uvas e muitas outras espécies de frutas. Pedi a Jesus que me deixasse comer do fruto. Disse Ele: "Agora não. Os que comem do fruto deste lugar, não mais voltam à Terra. Mas, dentro em pouco, se fores fiel, não somente comerás do fruto da árvore da vida mas beberás também da água da fonte." E disse: "Deves novamente voltar à Terra, e relatar a outros o que te revelei." Então um anjo me trouxe mansamente a este mundo escuro. Algumas vezes penso que não mais posso permanecer aqui; todas as coisas da Terra parecem demasiado áridas. Sinto-me muito solitária aqui, pois vi uma Terra melhor. Oh! tivesse eu asas como a pomba, e voaria e estaria em descanso!”

3 comentários:

Anônimo disse...

Quem preparou este estudo??

OS ADVENTISTAS DA REFORMA disse...

Irmão, muito bom a divulgação deste estudo na internet, no entanto o irmão se esqueceu de postar a autoria do mesmo.

Anônimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ viagra generique
http://prezzoviagraitalia.net/ costo viagra
http://precioviagraespana.net/ viagra generico